Ceará
Neste ano
Castanhão já superou o último inverno em aporte
Compartilhar

A água das chuvas na região do Cariri fez o caminho pelo Rio Salgado, passando por Aurora, Lavras da Mangabeira, Icó, onde desembocou no Rio Jaguaribe, seguiu por Jaguaribe e chegou à bacia do reservatório em Jaguaribara (Foto: Reprodução/ Diário do Nordeste)

Em 08/03/2018 às 10:00
Publicidade

Iguatu. O Açude Castanhão, o maior do Ceará, continua recebendo recarga do Rio Jaguaribe. O reservatório, neste ano, já aumentou 2,90 m e, ontem, registrava 3,43% de sua capacidade. Ainda é um reduzido volume, mas o aumento ocorrido nos últimos 15 dias renova a esperança de que a atual quadra chuvosa será marcada pelo fim do ciclo de seis anos seguidos de perda de reserva hídrica. De fevereiro até ontem, o manancial já pegou mais recarga que em toda a quadra chuvosa do ano passado.

O coordenador do Complexo Castanhão, Fernando Pimentel, mostra-se otimista. "Quero que no fim da atual quadra chuvosa cheguemos a 20m de coluna de água", frisou. "Desde a semana passada, a cada três dias, subiu um metro de água no reservatório". Para Pimentel, seria uma situação confortável para assegurar o abastecimento até o fim do ano o Castanhão alcançar o índice de pelo menos 20%.

Publicidade


Fernando Pimentel lembrou que, durante a quadra chuvosa de 2017, o Castanhão registrou um ganho de apenas 2,04 metros. "Neste ano, até ontem, foram 2,60 metros. Estamos bem melhor em comparação com o ano passado", observou. Em termos percentuais, em 2018, o reservatório já ganhou 1.35%.

Água do Cariri

Publicidade


A tendência é de continuidade de aumento do volume por causa do nível do Rio Jaguaribe que permanece elevado em Jaguaribara. A água oriunda das chuvas na região do Cariri fez o caminho pelo Rio Salgado, passando por Aurora, Lavras da Mangabeira, Icó, onde desembocou no Rio Jaguaribe, seguiu por Jaguaribe e chegou à bacia do reservatório em Jaguaribara para alegria dos moradores.

O Castanhão chegou ao volume de 2,08% no último dia 22 de fevereiro, o mais baixo de sua história, após conclusão e cheia em 2004. O nível começou a subir, lentamente, mas de forma contínua. No início deste mês registrou 2,45% e ontem, 3,43%. O volume ainda é reduzido e não deixa de trazer preocupação para o governo, produtores e moradores porque o Castanhão é o reservatório estratégico para o abastecimento de municípios da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) e do Médio e do Baixo Jaguaribe.

"A esperança é que o Castanhão continue recebendo água, tenha uma boa recarga, mas houve uma suspensão das chuvas no Cariri e na bacia do reservatório, nos últimos dias", observou o secretário Executivo da Secretaria de Recursos Hídricos (SRH), Aderilo Alcântara.

O período significativo de chuvas no Ceará é muito curto. A própria quadra chuvosa (fevereiro a maio) apresenta intensas chuvas somente nos meses de março e abril. Em maio, a média histórica é de somente 90.6mm, isto é, bem menor do que em janeiro (98.7mm), que é um mês de pré-estação chuvosa.

A suspensão das chuvas neste início de março se for duradoura faz com que o nível da água baixe nos rios Salgado e Jaguaribe, exigindo intensas precipitações seguidas por três ou mais dias para ocorrer novas cheias em seus cursos de água.

Tranquilidade

O aumento do nível dos reservatórios que integram a Bacia Metropolitana traz uma certa tranquilidade para o abastecimento dos municípios da RMF até o fim deste ano. A água do Castanhão ficaria para seus usos múltiplos usos no Médio e Baixo Jaguaribe. Para ocorrer uma boa recarga, a expectativa fica mesmo para os meses de março e abril.

"Até o momento as chuvas favorecem o setor da agropecuária, formação de pastagem e plantio de grãos", observou Alcântara. "Pequenos açudes receberam recarga, mas os médios e grandes reservatórios, estratégicos, ainda carecem de um bom volume de água. "O que chegou até agora no Castanhão é irrisório mediante a demanda anual". De acordo com dados da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) até ontem, o mês de fevereiro passado registrou um volume médio de chuvas 54.3% acima do esperado para o período. Houve, portanto, um desvio positivo. A média de fevereiro é de 118.6mm e foram observados 183mm. Os dados são parciais.

Para este mês, são esperados 203.4mm. Até ontem, foram observados 33.3mm, um desvio negativo de 83.7%. "O início de março tem se caracterizado por redução das chuvas, mas esperamos que o quadro se modifique", observou o gerente regional da Ematerce, em Iguatu, Joaquim Virgulino Neto.

Açudes sangrando

Segundo a Companhia Gerenciamento dos Recursos Hídricos (Cogerh) há sete açudes sagrando. São eles: Caldeirões (Saboeiro); Itaúna (Granja); Tucunduba (Senador Sá); Germinal (Palmácia); Tijuquinha (Baturité); Barragem do Batalhão (Crateús) e Colina (Quiterianópolis). Há outros dois com possibilidade de sangria nos próximos dias: Maranguapinho (Maranguape), com 95.95%; e Acaraú Mirim (Massapê), com 94.82%.

Diário do Nordeste


Compartilhar

Publicidade
Mais do Site Miséria
Publicidade

Enquete
Você acha que deve haver leis mais duras para quem agride animais no Brasil?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor