Política
Operação "Piloto"
Ex-governador Beto Richa e mulher são presos pela Lava-Jato no Paraná
Em 11/09/2018 às 07:40

Tucano foi detido por suspeitas de fraudes no programa Patrulha Rural (Foto: Reprodução/Internet)

TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE
Compartilhar

O ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) e a esposa, Fernanda Richa, foram presos na manhã desta terça-feira 11 pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), órgão do Ministério Público do Paraná (MP-PR). Richa é suspeito em um inquérito que apura fraudes no programa Patrulha Rural, de veículos e policiais equipados para atender especialmente a áreas rurais.

Richa e Fernanda foram presos no apartamento do casal, em Curitiba, onde foram realizados simultaneamente dois mandados de busca e apreensão: um pelo Gaeco, outro pela Polícia Federal, que realiza também nesta terça a 53ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Operação Piloto. Richa é alvo das duas operações, que não têm ligação entre si, mas o mandado de prisão foi expedido pela Justiça Estadual. O ex-governador é candidato ao Senado pelo PSDB nas eleições de 2018.

TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE
Pela Lava Jato, foi preso Deonilson Roldo, ex-chefe de gabinete do Governo do Paraná na gestão do tucano. Sobre a Piloto, a PF informa que a operação diz respeito à suspeitas de “suposto pagamento milionário, feito no ano de 2014, pelo Setor de Operações Estruturadas do grupo Odebrecht,  visando possível direcionamento do processo licitatório para investimento na duplicação, manutenção e operação da rodovia estadual PR-323 na modalidade parceria público-privada”.

Em maio, VEJA revelou que uma gravação mostrava Roldo pedindo a um empreiteiro paranaense que entrasse como “cobertura” na licitação, de forma a mascará-la para não levantar suspeitas em relação à vitória da Odebrecht, que já estava acertada previamente. Em troca, a empresa desse empreiteiro, o grupo Bertin, teria ajuda para vender parte do complexo de usinas termoelétricas de Aratu, na Bahia, para a Copel, estatal paranaense de energia. A reunião ocorreu em uma segunda-feira, dia 24 de fevereiro de 2014, na sala de Roldo, localizada no terceiro andar do Palácio Iguaçu, sede do governo paranaense, ao lado do gabinete do governador.
TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE
Ao todo, a Operação Piloto cumpre dois mandados de prisão preventiva, um de prisão temporária e 23 de busca e apreensão, mobilizando 180 policiais federais. O nome da operação, “Piloto”, é uma referência, segundo a PF, “a codinome atribuído pelo grupo Odebrecht”. Segundo delatores da empreiteira, este era o apelido para indicar pagamentos a Beto Richa por meio dos sistemas do “departamento da propina”.

Fonte: Veja

Publicidade
Compartilhar

Mais do Site Miséria

Enquete
Você se sente seguro em sala de aula?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor