Sábado
17 de Novembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Sábado, 17 de Novembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Praia de Iracema

Polícia investiga envolvimento de pessoas da alta sociedade na jogatina em um bingo

Em 22/10/2018 às 14:05
Compartilhar
Delegado Carlos Teófilo apresentou as apreensões feitas no bingo clandestino (Foto: Reprodução/ CN7)

Pessoas de alta sociedade cearense estão sendo investigadas por crimes de prática de jogos de azar. Entre elas, comerciantes, empresários, políticos, profissionais autônomos e até pessoas ligadas ao ramo de comunicação, que frequentavam um bingo clandestino já fechado duas vezes pelas autoridades, a última, na noite de quarta-feira passada (17). Apostas de até R$ 50 mil eram feitas todas as noites em caça-níqueis e outros equipamentos. Chamou a atenção da Polícia o alto valor das apostas bancadas por pessoas de relevante poder aquisitivo.

O bingo funcionava em um prédio na Praia de Iracema, cuja fachada nada remetia ao que acontecia lá dentro. No entanto, havia diversas câmeras de segurança vigiando quem entrava e quem saía, além do movimento da rua. O aparato eletrônico, porém, não evitou que – a partir  da denúncia da família de um apostador – a Polícia mais uma vez “estourasse o local.



A Polícia não divulga os nomes dos investigados e revela apenas que cinco funcionários foram conduzidos  ao plantão do 2º DP (Aldeota) onde prestaram depoimento e foram liberados.  Também não foi revelada a identidade do homem que comanda a jogatina. O delegado titular do 2º DP, Carlos Teófilo, afirma que o dono do bingo sequer comparecia ao local, mas tinha todas as informações e a movimentação de caixa “on line”. Os funcionários confirmaram tal versão.

Nada menos que 54 máquinas caça-níquel foram encontradas funcionando a pleno vapor no bingo clandestino. Segundo estimativas da Polícia, a cada noite a casa arrecadava em torno de R$ 40 mil, o que totalizava ao fim de cada mês a bagatela aproximada de R$ 1,2 milhão nas apostas.

Além das máquinas ilegais de apostas, foram apreendidos cadernos com anotações dos jogadores em dívida com o bingo. Essa contabilidade  pode levar a Polícia mais rapidamente aos grandes apostadores, e indiciá-los pela prática da jogatina.

Nos caixas das máquinas, a Polícia apreender R$ 5,4 mil, além de cupons que dariam direito ao sorteado prêmios de Natal e Ano-Novo.

Segunda vez

Esta foi a segunda vez que a mesma casa é alvo da ação da Polícia Civil. Os  altos lucros obtidos nas apostas madrugada adentro levaram o dono do bingo a reabri-lo mesmo após a primeira intervenção das autoridades. O nome dele e dos grandes apostadores estão sendo mantidos em sigilo. A Polícia aprofunda a investigação com uma perícia que será feita em todas as máquinas confiscadas no local.

CN7

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
Publicidade
TJ Seguros
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira