Esporte
Confiança
Palmeiras não se curva ao rival, e Felipão espanta mais um fantasma
Em 10/09/2018 às 08:15

Felipão abraça Deyverson após o gol da vitória no Dérbi (Foto: Reprodução/ Terra)

Compartilhar

O Palmeiras encarou o clássico com o Corinthians, neste domingo, da mesma maneira que encarou todas as outras partidas do Campeonato Brasileiro desde a chegada de Luiz Felipe Scolari: não alterou o planejamento de poupar jogadores por estar diante de seu maior rival, não criou um clima de guerra desnecessário (exceto pela pilha excessiva de Deyverson, que tem aparecido contra qualquer equipe) e não mudou o jeito de jogar. Em resumo, não se curvou ao adversário e conseguiu uma vitória que aumenta a confiança e espanta mais um fantasma.

O Palmeiras não vencia um Dérbi no Allianz Parque desde o primeiro turno do Brasileirão de 2016, com Cuca. Depois disso, foi derrotado em casa pelo rival alvinegro no Brasileirão do ano passado, novamente com Cuca, e na final do Paulistão desde ano, com Roger Machado, quando não soube lidar com um cenário amplamente favorável após a vitória em Itaquera, na ida. Aquela vitória, aliás, foi a única do Palmeiras nos sete Dérbis que antecederam o encontro deste domingo. Estava 6 a 1 para o Corinthians.

Vale ressaltar que o Palmeiras encontrou neste domingo aquele que talvez seja o pior Corinthians dos últimos anos, mas o jogo poderia se complicar se a postura da equipe não tivesse sido tão boa. Firme o tempo todo, algo simbolizado pela boa dupla de zaga formada por Luan e Gustavo Gómez, mas fugindo das confusões que só beneficiam a equipe de menor qualidade (de novo, exceto por Deyverson).

Um outro símbolo desta postura foi Felipe Melo. O camisa 30 reclamou muito com o árbitro, mas só se envolveu nos bate-bocas para afastar os companheiros. Aliás, ele não tomou mais nenhum cartão depois de ser expulso contra o Cerro Porteño - já são três jogos - e tem acumulado boas atuações.

Embora não tenha exigido muitas defesas de Cássio, o Verdão tomou a iniciativa de buscar o gol a todo tempo e merecia até ter vencido por uma diferença maior - Dudu acertou o travessão após uma bela jogada individual. A equipe de Felipão já tem o padrão de ser sólida defensivamente e de, mais cedo ou mais tarde, resolver a partida com a qualidade de seus homens de frente, sejam os titulares ou os considerados reservas.

O técnico admitiu que fez pelo menos duas mudanças de acordo com o rival, mas não pelo fato de ser o Corinthians, mas por ter mudado de treinador há poucos dias.

- Sim (a chegada de Jair mudou o planejamento). Quando vi que o tempo do Jair era muito curto. Ia jogar com o Artur pela direita, mas pensei no Dudu. Pensamos em segurar mais o Mayke e deixar o Marcos jogar. Fizemos uma ou outra troca imaginando que o Jair não teria possibilidade de mudança tão repentina. Acho que surtiu efeito - disse.

Cada um dos próximos três compromissos do Verdão será por uma competição diferente: Cruzeiro, quarta-feira, dando início à semifinal da Copa do Brasil; Bahia, domingo, pelo Brasileirão; e Colo-Colo, na quinta-feira seguinte, abrindo as quartas da Libertadores. Destas, apenas a partida contra o Cruzeiro será em casa.

Terra

Compartilhar

Mais do Site Miséria
Line Up do último dia do Festival Expocrato
Em Cariri
Line Up do último dia do Festival Expocrato
Oitava noite de Festival Expocrato bate recorde de público
Em Cariri

Enquete
Você se sentiu ofendido com o comentário de Bolsonaro sobre os governadores do nordeste?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor