Brasil
General Walter Braga Netto
Para interventor, há "muita mídia" na crise de segurança do RJ
Em 16/02/2018 às 18:30

O Comandante Militar do Leste, General Braga Netto, durante entrevista coletiva sobre o decreto de intervenção no Estado do Rio de Janeiro (Foto: Reprodução)

TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE
Compartilhar

Nomeado nesta sexta-feira interventor da segurança pública do Rio de Janeiro, o general Walter Souza Braga Netto afirmou que a situação da violência no Estado não está tão ruim. Ao ser questionado por jornalistas nesta sexta-feira, no Palácio do Planalto, Braga Netto, que chefia o Comando Militar do Leste, respondeu que há “muita mídia” sobre o assunto.

O interventor nomeado pelo presidente Michel Temer (MDB) pouco falou na entrevista concedida no Planalto, ao lado dos ministros do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Sérgio Etchegoyen, e da Defesa, Raul Jungmann, justificando que tinha “acabado de receber a missão” e ainda “estava em fase de planejamento”, razões pelas quais não poderia adiantar informações sobre como será desenvolvido o trabalho. Questionado pela reportagem após a declaração, o general disse que “a situação do Rio é grave, mas não está fora de controle”.O decreto presidencial que formaliza a intervenção federal no Estado do Rio de Janeiro foi publicado em edição extraordinária do Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira. O ato tem como objetivo “pôr termo ao grave comprometimento da ordem Pública no Estado do Rio de Janeiro”. O decreto, que tem efeito imediado, será votado na Câmara e no Senado em até dez dias. Se as Casas concordarem com a medida, a intervenção será mantida.

TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE
De acordo com o texto assinado pelo presidente, a intervenção federal se dará até o dia 31 de dezembro de 2018 e se limita à área de segurança pública. Walter Braga Netto comandará a Secretaria de Segurança do Rio, incluindo as polícias Civil e Militar e o Corpo de Bombeiros, e a Secretaria de Administração Penitenciária. As demais áreas da administração fluminense continuarão submetidas ao governador Luiz Fernando Pezão (MDB).

Em discurso no Palácio do Planalto durante a cerimônia de assinatura do decreto, Pezão admitiu a incapacidade do Rio de combater a violência e o crime organizado. “Nós, com a polícia Militar e Civil, não estamos conseguindo deter a guerra entre facções no nosso estado. Ainda com um componente grave, que são as milícias”, afirmou o governador.

 

veja

Publicidade
Compartilhar

Mais do Site Miséria

Enquete
Até quanto você pretende pagar por um dia de show na Expocrato ou Festa de Santo Antônio?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor